quarta-feira, 30 de setembro de 2009

O Tempo E Eu


Corro contra o tempo.
Sou pássaro livre no vento
que o louco destino soprou
em ondas sonoras ecoantes nos vales
de minha alma de menina,
assim alçando voô destemida, sou liberdade.
Ora plano em seu beijo lento de brisa,
ora me deixo guiar em seus suspiros
que me levam as nuvens além do véu.
O tempo e eu...
Solange Bretas

“Todos estes que aí estão
Atravancando o meu caminho,
Eles passarão.
Eu passarinho!”(Mário Quintana)

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Apenas EU



Naõ sei quem sou quando dependo de mim...
Sou braço, sou fraco vazio...
Seguro-me pelos dedos da consciência
do medo de me perder de mim.
Sou vento, sou tempestade pó...
Levo-me a desfolhar palavras escritas
num livro que ainda não li.
Sou chuva, sou gota sal...
Provo-me nas temperanças do tempo
cujo destino adora mudar.
Sou lua, sou céu mar...
Mergulho-me na essência vital
Exorciso minhas fases para apurar o que sou.
Não sabendo o que sou quando dependo de mim, sou apenas EU.
Solange Bretas

Pegadas


Meu caminhar é deserto,
nos pés apenas o desejo de continuar
o que o coração planejou.
Ainda é cedo para descansar
e as árvores comigo não estão.
Tudo é breu por onde o fogo passou
levando consigo as cores vivas,
deixando mortas as cinzas...
Empregnando o chão de meus pés,
desorientando meu andar.
Nesse caminho vou para não voltar
Se quiser me achar,
deixarei as pegadas do coração.

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

Imagem



No espelho da saudade
Relembro o amor que vivi
Por uns instantes me perco
Contemplo sentimentos
Que para trás ficou, mas
o tempo que passa o solidificou.
Para meu coração, só uma saída...
Continuar guardando o que nele entrou
tomando conta por inteiro.
As lembranças não me ferem,
mas trazem a dor da saudade.
Nem chegou o inverno
e minhas noites se fazem frias
os dias sem o sol de sua poesia, amor.
No silêncio me detenho,
não interrogo ao destino o porque
De não mais poder ter o amor,
que me trazia felicidade.
No peito um quase grito
sufocado pela saudade dele,
do meu amor de verdade.

domingo, 27 de setembro de 2009

Mais Uma Da Solidão


No horizonte de meus versos,
refletem meus olhos...
Contemplando o além
do vazio que ficou,
só a noite e eu.
Até a solidão negou-me
o ombro e a alma ressequida
pelo gelo da rejeição
quis fugir de mim.
O que me sobrou
senão me abandonar
no amargo prazer
ao que reservou tentar viver
fingindo ser feliz.

Antídoto


...ao que fui veneno
por amor perdi a vida.
São tantos ditos,
mas o que falou
mais alto foi silêncio.
Foi em vão, agora persona não grata.
Como antídoto, retiro-me da vida...
Não sei se sigo, persigo ou me esqueço
e do avesso me viro dou asas à vida
e encontro a solidão de minhas dores,
veneno próprio de quem ama sozinha.

Silêncio


Vago ...
Sou o silêncio que seus olhos me lançaram.
Sou o vazio do que ainda provo
nas lágrimas que verti.
Fui mais de você quando percebi
que nada restou de mim.
Sou o silêncio de meus lençóis
na escuridão do meu peito sozinho.
Sou silêncio que preferiu se calar
ao que rejeitado caiu no esquecimento.
Sou o silencio que cortou o corpo, cobriu a alma de breu.
Sou o silêncio que matou a poesia de meus lábios,
que sufocou o grito de meus versos,
que apagou da face das entrelinhas meu sorrir.
Sou silêncio a ecoar no que agora é só vazio...
Solange Bretas

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Vamos?


Estou pronta para sair...
Já me vesti de Primavera
calcei meus sapatos de Sol
coloquei meu óculos de Margaridas
e no cabelo fitas de Bem me quer.
Vamos o Beija flor e eu
pelos jardins secretos desta estação.
Faremos pousadas de flor em flor,
a roubar beijos perfumados,
desabotoando botons enamorados.
Beberemos o sereno das pétalas de rosas
colorindo nossos lábios de carmim.
O dia promete e a primavera permite!

Só Um Desejo


Não vou maldizer a vida
nem tão pouco esse coração
que ama cego de paixão.
Vejo em minhas mãos as linhas do tempo
passado, presente... E o futuro?
Lá fora tudo é escuro, vejo através da janela...
no horizonte está minha estrela.
Mas parece fugir cada vez que a busco...
Será que a ofusco?
E eu só queria sua companhia,
nada mais!

Virtual e Só


Um dia termina
dando lugar ao outro porvir...
já se faz madrugada e eu aqui
com a mente cansada e coração inquieto.
O sono me veste, os olhos se derretem
fixos nesta tela fria garoando solidão.
No teclado a alma cansada pede colo
deixo de ser teimosa e obedeço...
Bom Dia, meu querido computador!

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Além


As águas que vertem minh'alma
são apenas para regar meu jardim...
Assim fortalecer meu caminhar
Fertilizando meus pés,
eu possa frutificar...
Além do horizonte,
de mãos estendidas
e face oferecida.
Assim seja cumprida minha sina
por amar sem medida,
além da vida...

Simples Amanhecer


Amanheci assim...
Cor de céu,
Nos dedos anéis de sol,
Vestida de mar estampado de estrelas,
Numa carruagem de borboletas e beija flores,
Desfilo pelos jardins despetalando sorrisos...
As flores meus cabelos enfeitam,
na pela essência de rosas a perfumar,
Nos lábios framboesa e nos olhos a primavera.

Gosto Assim


Gosto de ser assim, Mulher...
Cheia de luas e de fases
com palavras nuas e cruas
bronzeada de sol e lua
molhada e envolvida pelo alto mar.
Cravar minhas raízes na terra,
crescer e de paixão, frutificar.
Solto meus cabelos ao vento,
seus gemidos ecoando por dentro,
provocando desejo a despetalar.
De asas abertas lanço-me no abismo
num mergulho profundo absorvo-te inteiro
e nos braços do amor fecundo quero repousar
sem hora, sem medo, sem pensar.

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Só Um Querer


Essa noite, quero o aconchegar
de teu chão de estrelas,
quero vê-las brilhar em seus olhos
como faróis a me guiar.
Quero a lua a nos iluminar
qual abadjour a meia luz,
fazendo aflorar em nós
o fogo da paixão...
Quero seus afagos de cetim
a aquecer meu corpo
descobrindo minha nudez...
Quero sentir tua essência,
tua alma tocando a minha.
Que a melodia do prazer
cantada por nós dois
venha por fim embalar
nossa noite de Amor...

Pétalas Secas


A noite fez-se de outono
Vestiu sua obscuridade
Com as pétalas secas
de minha alma sofrida.
O fruto não vingou.
O seio não foi fecundo,
no cálice não se abrigou vida.
O que faltou?
No ar, paira o perfume
do abandono de primavera,
deixei de ser florir.
O vento forte sopra em minha face
varrendo jardins do meu olhar
levando consigo o que pensava ser meu
as folhas, pétalas e o que se sonhara
ser um doce fruto...

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Utopia


A imagem no espelho
Sem face olha perdida,
refletindo a negra luz.
O que era encanto,
Figurava na utopia
de um eterno bem
assim tão claro parecia.
Em quebranto se quebrou,
a essência evaporou,
só restaram os pedaços ,
deixando o abstrato
de um longínquo olhar
em preto e branco.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

Um Colo


Gostaria de ter...
Da noite, o breu
a esconder minha face sem feição.
Das estrelas, a distância
onde pudesse me perder no vazio
labirinto do negro céu.
Da lua, o frio
para congelar do sorriso o brilho.
Gostaria mesmo...
De nunca mais sonhar
com momentos impossíveis.
De não conseguir suspirar
com amor que pulsa no coração.
De dizer não, quando só desejo um sim...
Na verdade, nada disso é verdade
Só gostaria de um colo
Pra curar minha dor...

Adeus Felicidade


Abri a janela
Libertei a felicidade
Ela voou rumo ao seu destino
Pois andava triste cativa em meu coração.
Levou consigo o que de mim era metade,
Deixando somente uma grande saudade.
Em meu olhar deixou apenas vê-la partir
Que farei pra afagar minha saudade,
Aconchegar minhas lembranças
E fazer companhia ao vazio da solidão?
Não sei de que cor o arco íris se pintou
A felicidade levou consigo a alegria das cores
O perfume das flores, o sabor dos sabores.
O que sobrou... está no horizonte a minguar.

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Cativa De Meu Poetar


Beijos os dedos de minha prosa,
assim sem malícia no olhar...
Sorvo de meu pensar a inspiração,
delíro em meus versos de paixão.
Faço carícias em minha poesia
arrepio-me as páginas tocando nas entrelinhas...
Fizemos amor, minha poesia e eu...
Em líricos lençóis bordados de estrelas,
nas noites cheias de cirandas ao luar...
É paixão que não arrisco descrever,
só sei que ela me leva a loucura
e como me doma não consigo lutar
sou cativa em meu poetar.

domingo, 13 de setembro de 2009

Um Brinde Só


Uma taça de vinho e eu...
Brindei a liberdade,
pro coração a felicidade.
Adoçando meu paladar
Degusto sem olhar...
Sinto sua textura
a se misturar...
Em suaves goles
vou sorvendo
Saboreio e saboreio...
De cristal a taça reflete
aquele sorriso sem destino
No olhar uma lembrança...
Quer saber?
Tim Tim!!
Solange Bretas

Feliz Aniversário Flor de Laranjeira - Rose Tunala


FELIZ ANIVERSÁRIO FLOR
Flores em versos eu venho trazer
Para uma Flor de encanto
Que faz morada nesse recanto.
Flores em versos eu venho trazer
Para uma Flor de magia
Que exala amor em poesia.
Nesse jardim encantado
Tu és Flor formosa
E hoje é dia de festa,
A natureza se manifesta
Com toda graça e beleza
Para exaltar tua simplicidade e realeza.
Hoje é teu o brilho
E tu, Sol, serás o estribilho
Dos versos e reversos
Em melodia e fantasia
Das mais lindas poesias.

Querida Solange,
Pedi a Deus o teu presente
Que uma legião de anjos
A teu derredor se assentem
E te deixem em perfeito
Estado de graça.
Feliz Aniversário, minha amiga.
Desejo que seu dia seja pleno

Rose Tunala


Existe uma fraze que diz: "Existem pessoas que aparecem em nossa vida por acaso, mas não é por acaso que elas permanecem."
Eu acredito na Providência Divina e nas dádivas que dela emanam . Amigos são uma essas dádivas. Assim é a Rose Tunala, uma dádiva de DEUS!

Agradeço a alegria que trouxe neste dia!! Bjus em seu coração, Flor de Laranjeira

(Um mimo que ganhei de minha linda amiga poetisa, pela passagem do meu aniversário no dia 05/09)

sábado, 12 de setembro de 2009

Para uma Flor Especial...




Para uma Flor Especial...


Primavera Chegando...
Flores colorem, perfumam o ar...
Os dias têm sua beleza realçada
Setembro traz cheiro de coisas muito boas
Setembro combina com amor,
Coração esperançoso,
Sentimentos avivados, aqui ou em qualquer lugar...


Hoje cinco de setembro dia especial...
Por tantas razões,
Porque é sábado, porque estamos vivos,
Agradecemos ao Sol e as Flores suas belas presenças,
Porque é hoje...
Porque uma flor em especial fica mais viçosa,
Hoje,
Exatamente hoje,
Ela ganha mais luz, cor, perfume...
Hoje é uma flor mais gostosa, mais mulher...
Nasceu na primavera,
Viço de primavera,
Mais sedutora será, com seu olor que aguçará...
Perfuma encanta, faz sonhar a todos nós...
É símbolo do amor...

Que delicada flor é essa??
Hoje ela está mais bela...
É o dia dela...
É ela...
Florzinha,
Flor...
Flor de...
Flor de Laranjeira...

Nossa Flor... Mil beijos por hoje!
Mil aromas,
E sempre nos agrade,
E seja feliz.
E se realce,
Se encante.
Apaixone-se e nos apaixone...
Seja feliz e nos faça assim...
Felizes com sua presença entre nós...
Felicidades...
Na primavera e sempre!


Fiz para a querida Solange Bretas, no seu niver. Nossa Flor de Laranjeira.

* Recebi esse carinho da minha querida amiga, Roseane Ferreira.

Querida amiga e linda poetisa,agradeço a DEUS por você existir! Obrigada pelo carinho. Bjus da Sol


(Um mimo que ganhei de minha linda amiga poetisa, pela passagem do meu aniversário no dia 05/09)

Um Toque



Apenas um toque...
e suas mãos leem
meus anseios em secredo.
Toma-me por um querer ardente
causando arrepios na alma...
Com o encanto de teus olhos
despi-me sem pudor
enlouquecendo meu ser.
Apenas um toque...
Sou cálice a transbordar
essências em frenesim...

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

Embriagues



Bebo a noite...
É ela a me embriagar.
Preferia beber
o mar de desejos
e neles me afogar...
Me banhar de lua
fazer dela minha veste
e sair pelo céu
a experimentar suas fases.
Brindo as estrelas,
que riscam o céu
em cadente balé,
inspirando liberdade...
Quero a embriagues
dessa noite
e acordar com brilho
das estrelas no olhar...

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Toca no Coração



Ao longe ouve um tambor
Enviando sons ao pé do ouvido
De um coração que morre de saudade
No céu nuvens de fumaça
Formando imagens de lembranças
Sinais da alma que ama
O toque do tambor desperta desejos
Que adormecidos pela ausência
Foram contidos em redoma da paixão
E ao despertar enlaça corpo e alma
Que ardem como fogo...
No céu que fumaça havia
Faz-se brilhante aurora
Amor a dissipar nuvens
A matar saudade...
Agora, ouço de perto nossos corações
Como aquele tambor em êxtase a tocar
não preciso no céu imagens formar
o amor em nós real e tocavel está...
Saudade se foi enquanto você ficar.

Onde Estão Meus Versos?


De asas caídas...
Em meus versos não decolei.
Arremeti, nenhuma rima quis pousar.
Da lira sons desafinados tirei,
aqueles que meus versos não quis escutar.
Nas entrelinhas, cruzam mensagens
subliminares que vão em outra direção,
mas são lidas em letras maiúsculas
que versam toda a intendidade
de um sentimento chamado solidão.
As páginas mal escritas foram arrancadas,
lançadas ao fogo, fragmentadas .
As cinzas pisadas mancham o chão,
são pegadas que não foram seguidas
e que o vento nem fez questão de apagar.
O silêncio de meus versos ensurdece a alma
ecoa nos labirintos da poética prosa muda,
dos haikais de natureza morta,
nos poemas frios causando arrepios,
nos discursos sem rumo.
Meus sonetos estão fora do padrão
e assim desclassificados pela métrica
deixando sem compasso o coração,
foram somente quimeras...
Duetos solitários versam com paredes
grafitadas com frases toscas sem nexo.
Trovas que em mim travam luta
pela existência de cirandas desencantadas.
Meus versos foram perdidos sem endereço,
desviaram-se no percurso e colocados
em gaveta do passado onde foram esquecidos.
Meu versar adoeceu e, ainda não descobri a cura
Para de meus indrisos chagados, sua dor é humor
provocado pelo texto que segue perdido.
A poesia perdeu a cor, sem perfume a essência ficou.
Enfim, sem inspiração, não posso descrever meu amor
Sem meus versos não sei o que sou.

Meu Sol


Ao decifrar-te direi que tu és o sol
Brilhando intenso, perfeito sedutor.
Ah!! Em cada explosão te soltas no ar
Quisera possuir uma gota de suas lavas
Para a minha alma abrasar
Quem me dera ser um espelho
A refletir seu sorriso e nele me banhar
De luz radiante, fulgurante esplendor.
Astro maior de sentimentos divinos
Ilumina todo o universo, e cativa
a quem de ti se aproxima aquecendo
e provocando os corações, derretendo tristezas
Faz a vida renascer ao despontar pela manhã.
Sua casa é o arrebol de onde parte a espalhar
Harmonia e beleza de seu doce olhar.
Quando te aproximas do mar ele vibra
É um espetáculo a parte, enfeitiça a quem olhar.
És maravilhoso tens a Lua apaixonada
A espera de um encontro onde possam se tocar,
É noite em pleno dia, mas mesmo assim,
sua força e brilho suplanta toda escuridão.
És vigoroso estrela de brilho próprio
Dentro de ti há o equilíbrio de quem o criou
A superfície de sua pela ruborizada
Causa suspiros e enfeitiça os corações.
Sua luz ao refletir no arco íris
é a mais sensacional contemplação
E quando se vai e a noite desce
Do seu brilho sinto saudades
O dia termina e eu espero seu alvorecer.

Nas Velas Do Tempo


Minhas mãos a tocar tua face,
um deleitar de meu ser na suavidade de tua pele.
Sinto-a tão distante de meus olhos
qual marés minguando no oceano.
Busco-te no horizonte de meu sol,
mas o que vejo são raios de saudade.
Senti-me sem lua no crepuscular
de mais uma estação em seu olhar.
Sem eles sou estrela cadente a riscar o céu
com pedidos em versos que se perdem no silêncio...
Quisera fitá-lo agora e desvendar os segredos
que de mim escondes no fundo do coração.
Talvez um afago em teus cabelos
tocasse de novo tua alma de Anjo
pudesse trazer-te mais uma vez para mim.
Mas quem sou, senão flor que amanheceu
sem provar o orvalho da noite de teus olhos,
sem banhar-me nas gotas do sereno
desprendidas dos teus lábios.
Ah, pudera nas velas do tempo voltar
e em ti ancorar meu tudo de corpo e alma...
Solange Bretas

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Versos Loucos


Versos que agora invento,
Jogados ao vento, colhidos ao léu.
Bordados no céu da boca,
pintado pela menina dos olhos,
Lidos na palma da mão.
Recortes de palavras soltas,
Burlescas, sobre letras incontidas.
Pobres ricas rimas brancas,
não encontro nesses versos
nem sei escrever, confesso!
Mas a que vem essas palavras
a esmo, se não encontro folhas
que sirvam de ombro a deitar?
Teimosos versos eu diria, até por ironia,
quiseram em mim, grafar.
Loucas letras, coitadas,
nãos sabem o que fazem estão gastas!
Desbotadas feito anil no mar,
iluminadas qual sol em noite de luar,
provadas pelo fogo a incendiar,
não sou poeta tão pouco seu versar.
Bebo o lirismo, brindo com a realidade,
devaneios, alguém diria, dessa minha mania
de escrever tudo sem dizer nada!
Só ele sabe esses versos que invento,
cabe bem na boca do vento
a soprar em seus ouvidos...
Esses versos loucos, meu alento!

Um Dia, Uma Tarde E Uma Noite


O dia pelos dedos escapou,
vazou com raios luminosos
o que dele sobrou a brisa levou...
A tarde se escondendo no oceano,
deixou só um suspirar de ondas manhosas
na areia ao se deitar.
Ouço seu chiar de um triste adeus...
Brinca de ninar o sol
só pra noite poder desfilar.
O dia se foi a tarde também!
Pinta a noite. Brilhante, misteriosa...
Vejo na cor dos meus olhos sua negritude
prateando esperança.

Solange Bretas

Místico Versar


Na palma da mão o segredo das letras,
Labuta e na luta empunha destemido
as pesadas armas da interpretação.
Seu ser se reveste de roupa nova,
Vestes de palavr’ação...
Nos pés um par de sapatos velhos,
que o faz voltar no tempo,
viajar no mundos de sonhos distantes.
Em seu íntimo pulsam sonoras,
vibrantes notas harmoniosas,
soam como acordes dedilhados no violão...
De seus lábios partem suaves
e vigorosos versos que transcendem,
assim entoam líricas e perfumadas melodias
qual pétalas de rosas.
Nos olhos brilhantes, a puerícia,
menino grande jamais envelhece.
De alma pura, reluz Diamante Negro
No coração, grandes tesouros,
E no olhar tímido e manhoso
Reflete um horizonte apaixonado.
Seu pensar é profundo,
é filósofo no silêncio, diria Plotino.
Parece até ler pensamentos...
Com o domínio das letras
com dom e maestria,
quem sabe bruxo a exercer magia
enfeitiça ao exercer poesia...

Florescendo Em Ti


Em teu peito, terra fértil abrigou-me.
Arraiguei fundas minhas lascivas raízes
Fortaleceu-me de teu corpo a seiva
De tuas veias tirei alento e em silêncio germinei.
Ao florescer enfeitei teu corpo meu jardim,
Com pétalas de carícias te perfume
Alimentei-te com que de ti recebia,
E adoçando sua boca te provei.

Solange Bretas


Inspirado no poema do Grande Poeta Pablo Neruda,
"Tu Eras Também uma Pequena Folha".

Te adoro!



Essa noite...
O som de sua voz embalará meus sonhos,
me fará sentir sua presença ao pé do ouvido
dizendo frases de amor...
Te adoro! Te adoro!
As lembranças tomam vida,
te sinto presente.
Inebriada de amor por ti,
fecharei os olhos,
e num imaginário momento de sublimação,
enlevando-te, beijarei teus lábios infinitamente...
Enfim, entrarei em sono profundo pra não mais acordar
para que o som de sua voz sussurrando baixinho
fique em minha alma eternamente a ecoar...
Te adoro! Te adoro! Te adoro!