domingo, 31 de janeiro de 2010

Butterfly


Liberto pensamentos...
Na linha  do horizonte pousam
Perfeita metamorfose de mim

Reflexo do que sou, o Sol
Nas aguas que deságuo
diluindo feitiço, mel.

Toca-me o céu boreal

Em miragem me vou...


Solange Bretas

Volta Ao Pó


Fragmentos de versos
correm por entre os dedos
sem palavras, sem prosa.

Perdem-se no tempo.
Apagados na história
pertencem ao vento.

Levam da alma a essência.

Fez-se pó, poeta e poesia!


Solange Bretas

Essência...

Essência...

...Nasce na raiz,
verte em poros flor
frutificando...

Solange Bretas

Vôo Livre


Sou anjo despida em asas
de meus poros evapora a liberdade
meus pés anseiam por estrada.

Saio do pedestal pra adornar o horizonte
onde o sol arde a devorar-me sedento
por me ver assim tão alva e pura.

Deixo o ninho frio da solidão.

Aprendi a voar sem ter asas.


Solange Bretas

O Amor Transcende


 O que dizer...
Das palavras ao vento,
dos lenços acenados ao relento,
das lágrimas vertida na solidão,
dos soluços rompendo o silêncio,
dos dias sem brilho,
das noites no breu?
Senti na pele,
provei os sabores.
Do amor que sinto,
não poderia nada dizer,
não há palavras para expressar.
Ele transcende a tudo!


Solange Bretas 

Amor Sem Fronteiras / Implexo Das Almas























 Amor Sem Fronteiras

Transcende os sonhos e desejos
Paixão que arde a flor da pele
Assim distante o corpo incendeia


Desperta os sentidos
Devora o corpo
Queima na alma.

E incontidos nessa loucura

Ultrapassamos todos os limites.

Solange Bretas 




 IMPLEXO DAS ALMAS
Entrelaço proibido da alma
Desejo que queima a nossa carne
Devora-nos em pensamentos

Subtrai ilusão
Multiplica desejos
Divide afeição

E na soma desses prazeres

Contigo eu queria estar

Edson dos Santos

Enamorada


Exalo a melhor essência, o amor.
Visto-me de um olhar misterioso
dou-me ao brilho das estrelas.

Entoando um canto de sereia
Danço na leveza da brisa
do  mar a se lançar na areia.

E num véu de pura sedução 

Vou ao encontro da lua cheia.



Solange Bretas

Desejo De Liberdade...


Desejo De Liberdade...

 ... Um abismo
se abre...
Passos vendados.


Solange Bretas

Amor em liberdade... - Poetrix


 Amor em liberdade...
... Partiu sem destino,
alma vazia.
Aband
ono deixou.


Solange Bretas

Liberta Por Vontade... - Poetrix



 Liberta Por Vontade...

 ...De quem?
Se desejo insiste
Consiste em "prisão".


Solange Bretas

Liberdade Conquistada... - Poetrix


Liberdade Conquistada...

 ... Um passo dado,
fora do ninho.
Aguarda o predador.


Solange Bretas 

Pérola... - Poetrix


 Pérola...

... Assim o amor
rejeitado, no íntimo
preciosa dor...


Solange Bretas 

Lança Tuas Ondas... - Poetrix / Duplix


 
Lança Tuas Ondas...

...Vem!
/ Adentra meu céu... 
Me faz brilhar
/ Reluz o amor...
no teu céu... / Em denso prazer...


Poetrix: Solange Bretas
Duplix: Edson dos Santos


Sabe estrela

Fico contente em vê-la
Não sou estrela
Mas sou do mar
Não tenho brilho
Mas sei amar
Quem sabe
Fazer brilhar?

Enviado por 
Euripedes Barbosa Ribeiro


Redenção



Deixo transbordar o sentimento
abro as comportas que represavam solidão
minha alma não conseguiu conter-se e desfez-se

Num misto de dor e amor que feria e soprava
entregue ao esquecimento sem tempo pra mim
num incontido soluçar fui de encontro ao mar.

Sucumbi diante das insensíveis ondas vazias

Fiz da saudade meu porto de redenção.


Solange Bretas 

domingo, 24 de janeiro de 2010

Quem sou!




Sou teu porto inseguro
onde tu enlaças desejos
e te amarras em sonhos
impreteríveis de sonhar.
Sou o que te acolhes
em perigoso cais 
de tentações,
não te esquivas
pois o medo te excita
meu farol te atrai.
Sou a calmaria 
de teu navegar,
assim tu ousas
em naufragar-te
desvendando  mistérios
por desejar-me.
Sou a canção dos ventos
que te toca aos sentidos
causo feitiço e já és meu.
Sou porto teu,
amado de felicidade,
preciso-te aqui.
Se tu vais, 
vou ao horizonte 
buscar-te.
Se me levas
tu ficas a amar-me-te.

Solange Bretas

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Caminhando Só



De repente me vi só,
tive medo de olhar para trás,
agarrei-me com as lembranças,
apaguei meus passos
segui como folha seca
que o vento leva sem destino.
Ainda me vejo só
sem saber como chegar
sem ter ao certo onde ir
agarrei-me aos pensamentos
tentei enxergar a razão
mas os galhos secos
tiraram minha visão
E me sinto só
penso em desistir
sair desse caminho
agarro-me forte a esperança
de encontrar-me
ainda em segurança
mesmo sem amor,
porém em liberdade.


Solange Bretas

A Beira Mar




Contemplei o mar...
Trocamos olhares
e num impulso sedutor
deixei-me naufragar.
Envolveu-me em suas ondas,
satisfez suas marés,
fez-se em mim tempestade
depois em ressaca,
lançou-se na areia.
Ali adormeci.
Sem despedida,
deixou lembranças
e, na vazante,
silenciosamente se foi...
Solange Bretas



quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Fora de Si



Despiu-se dos sonhos...
Descalça, sentiu vã sua esperança
Lavou a face, livrou-se daquele olhar
sem horizonte... Perdeu-se...
Silenciou o vento, calou  as estrelas,
cobriu os cabelos com rubro manto
e no peito abafou desejos sem sentidos.
Na incontida vontade de amar
buscou no firmamento um ponto
fixou-se inteira e partiu...


Solange Bretas

Doce Flagelo


Nesse abandono,
levo somente as chaves do tempo...
Não desejo dos sentimentos
seus sobejos suplicados
e nem das falácias ao vento.

Nesse abandono,
nem levo lenço.
Tranquei as lágrimas
da noite calada
junto aos soluços
que  minha alma fez tremer
naquele quarto pulsante
onde se abrigou o breu.

Nesse abandono,
nem penso.
Meu doce flagelo,
consiste em saber
que tudo que partiu de mim
ressecou num deserto escuro
de  palavras frias,
que agora, eu, sem tempo
apago a luz  e vou...


Solange Bretas

Sabor Amargo




Derramou na alma
o vinho amargo.
Avinagrou sentimentos
destemperou o sabor dos sonhos.
Fez preferir a morte...
Que degustar o desprezo
no cálice da rejeição,
deixando na amargura
o meu, tão ignorado, amor.

Solange Bretas

Companheira de Solidão


Lá fora as folhas cantam a melodia de fim de tarde
Os passáros retornam alegres aos seus ninhos
E no céu... Há uma nuvem só...

Quisera tocar o azul que abraça o universo
e unir-me a ela, a nuvem, nesse meu sorriso pálido
para voarmos ao sonhar dos ventos enlouquecidos

Conquistaríamos as estrelas mergulhadas no mar

E no seio da noite escura, esconderíamos nossa solidão
.

Solange Bretas

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Minha Canção



Aprendi com as rosas,
a canção suave dos ventos
tocada pela brisa leve
em suas pétalas manhosas.

Aprendi com as rosas,
a dedilhar nas cordas do tempo,
a cantarolar  sussurros ao vento
e desabrochar pro horizonte.

Aprendi com as rosas,
a perfumar melodias ao sol
fazer ecoá-las do alvorecer ao arrebol
nas nuances do arco íris.

Aprendi com as rosas,
a perfeita sintonia da poesia,
a sonoridade que brada em cada verso,
o prazer de compor a minha canção .

Solange Bretas

Letras Mortas - Vídeo




Forte Amor



sábado, 9 de janeiro de 2010

Letras Mortas


Quis escreverte,
mas as letras sepultadas
no livro de minh'alma
não formam palavras
que descrevam o sentir
que lá no fundo
ecoa e arde qual brasa
machuca feito espinhos
trazendo aos olhos
um mar em ressaca...

Solange Bretas

Cativa


As linhas são testemunhas,
os versos foram cúmplices,
o poema foi minha arma
quando declarei
meu mais puro e verdadeiro amor...
Agora cativa me rendo
pago a pena e lamento
por ter causado grande mal
em amar demais...

Por Falar de Rosas



A suavidade das rosas,
a macieis de suas pétalas
a resvalar na alma
carícias intensas...
Sua doce fragrância
perfumando os sentidos
inebriante equilíbrio...
Nuances de toque de seda
despertam desejos
alucinantes paixões...
Os espinhos...
Enfim, eles existem...

Solange Bretas

quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

O Peso do Amor




O amor  tornou-se um peso
que não conseguiu suportar.
Trouxe tanto sofrimento
foi melhor o desprezar.
É um sentimento
que não se aprende
mesmo querendo  ensinar.
É semente entre espinhos
dolorido de regar.
O amor virou pedra
pesado ao teu coração carregar.
Por crescer em demasia
virou tropeço ao teu caminhar.
Guardarei como pérola
no fundo do coração
será só meu o sentir
enquanto a vida durar.

Palavras Perdidas


As palavras secas,
presas por um fio,
foram levadas pelo vento
que soprou aos seu ouvidos
significados de sentimentos.
Foram soltas pelo tempo
que desprezou a lei do silêncio.
Ecoarem por labirintos.
Perdidas, minguaram
sedentas nas entrelinhas.
Tornaram-se mudas,
sem sinônimos,
sem cor e sem sentido.

Enfim...


Anseio...
Com a urgência do hoje
sentir o vigor do ar
que infla meus pulmões
e no pulsar em minhas veias
as vontades mais intensas.

... Não mais desejo
pisar espinhos
.
Revesti-me nuvens...

Liberta Pelo Amor


Penetrou  meu avesso
encontrando pérolas
que cultivava dorida
no ceio de minh'alma.
Decifrou meus enigmas
verteu luz no breu de meu peito
preencheu com ternura
o vazio do coração.
Abriu portas e janelas
deixando o sol de seu horizonte
habitar em minha entranhas
fecundando meus sentidos com prazer
e a minha boca deu de beber
de seu mais puro sorriso.
Mudou a cor do meu olhar
vestiu-me de arco íris.
Adornou-me com seus abraços
libertando-me da
solidão algoz .

Solange Bretas

Um Laço Forte


Um misto de alegria e magia...
Um pequeno passo dadoem direção ao longo caminho
que se abriu
diante de nós.
A alegria transcendeu...
A magia nos envolveu.
O destino não se opôs,
nem a tempo foi obstáculo.
Vencidos rios e mares...
No agir da vida
não existiu o acaso,
nem a mera coincidência.
A distância agora,
é só um simples detalhe.
Selamos com um abraço
a amizade , a conquista.
Um Laço forte
feito a quatro mãos
há de se perpetuar
em nossos corações.

Solange Bretas 


Um encontro entre amigas... Rose Tunala e Eu

De Luto


De Luto

Não veste a esperança
quem de Luto se cobre...
Há o vazio, a solidão e saudade.
Tudo novo se faz,
o ano, o dia, a dor...
Ela se foi, todos iremos,
assim passaram as estações
cairam as flores, morreu o jardim
e de luto meu céu se fechou.
Mais um começo trazendo risos,
mas não esqueceu de trazer
como folhas secas, a dor
que nos faz virar pó.

Pelo passamento de minha Tia Iolanda, 02 de janeiro de 2010. Que DEUS a receba em seus braços!

Na rota do Destino / Vela Sobre Os Ventos (Dueto)




NA ROTA DO DESTINO
Solange Bretas 


A vida qual barco a velas...
o destino sopra e fazendo navegar.
As vezes se perde o rumo, saindo da rota,

Mas o coração qual bússola faz retomar curso
Mesmo em ondas de tormento
lançadas em rochedos de sofrimento

Chega-se dorido a enseada

Para que na praia encontre um alento.


 Solange Bretas



\"\"


VELA SOBRE OS VENTOS
Edson dos Santos

Vela sobre os ventos
Empurrada pelo mar de tormentos
Deslizando em ondas de sofrimentos

Vela sobre os ventos
Soprada apagada em lamentos
Relembrada em grandes momentos

Vela sobre os ventos

Vida que voa sobre os renascimentos


Edson dos Santos