quarta-feira, 26 de maio de 2010

Livre


Livre  
  
Desperta, rescindi  pesadelos 
a alma simplesmente voou... 
Na leveza de nuvens do outono 
não mais temendo invernos
recria a primavera interior.
Flutua sobre céus e sois,
no horizonte azul, 
chameja o arrebol.
Veste-se de estrela 
vai até o infinito 
bailar com a liberdade!
Solange Bretas

Ao Encontro do Sol


Ao Encontro do Sol

Vou ao encontro do sol.
Não temerei queimar as asas
nem fenecer com seu calor.
Desfrutarei dele o ardor
que invadirá o coração.
Juntaremos fogo e paixão
não ouviremos a razão.
Vou ao encontro do sol
que inebria meu olhar
faz tremer o horizonte 
leva-me a beber do mar. 
Ele será meu dia 
ainda que de noite,
não mais haverá sombras
nem o frio da estação,
o tempo não existirá.
vou ao encontro do sol
seremos só nós dois a brilhar,
qual constelação nosso amor será.
Solange Bretas

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Ser Feliz


Ser Feliz

Ansioso querer até prudente
Quem na vida consegue.
Muitas vezes esconde que sente
E sorrindo seu caminho segue
 
Não é tão fácil quanto se pensa
Cultivar a sonhada felicidade
Ela chega de forma intensa
Parte deixando apenas saudade
 
Não é pássaro de um só ninho
Voa no horizonte fazendo verão
É água pura que move moinho
 
Fonte profusa a transbordar
Brota na alma embriaga o coração
Ser feliz é algo a conquistar.
Solange Bretas

Minha Escritura


Minha Escritura

Deixarei minha essência
nas folhas que o tempo haverá de guardar.
Não será possível aos olhos comuns entendê-la
tão pouco qualquer voz interpretá-la,
pois serão invisíveis à razão.
As páginas desse eterno livro  que escrevo
serão manchadas pelo sereno da vida
que minhas trêmulas mãos há estações
esteve a colher em noites de solidão.
Minha escritura será entregue ao universo
onde habita os sentimentos e,
se por ventura tudo vier por acabar,
peço ao sol que a  torne em cinzas
e que a lua  a espalhe sobre
os restos desse mundo de ilusão.
Solange Bretas

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Vicissitude Apenas


Anseio por despir-me desse mundo
Não desejo do tempo uma espera
Lá fora, o dia suspira profundo
A noite não será mais de quimera.

Os sons da tempestade ecoam lá fora
Seu canto em meu peito retine lamento
A vontade de partir qual nuvem me devora
Vibra em minh'alma o grito rouco do vento.

No olhar, quero o esplendor da chama ardente
para  iluminar minhas noites carentes de lua
Viajarei sem rumo feito estrela cadente

No caminho plantarei sementes de utopia
Meus pés sangrarão ao calcar pedras cruas
Será o preço a pagar por cometer tal ousadia.

Solange Bretas

quarta-feira, 12 de maio de 2010

A Lenda


Acabou o encanto
perdeu-se a magia
deixado num canto
o amor que jazia.

Não fora sempre assim
Para a vida a primazia
parecia não ter fim
a paixão que ardia

Tantas juras declaradas
em nome do puro amor
nos braços da bem amada
seu castelo acolhedor

Hoje, só resta a vontade
de reviver os bons momentos
e a certeza do amor, a eternidade
faz da saudade um alento.
Solange Bretas

Um Canto... Lamento


Meu canto é triste,
cantam as pedras.
Pobre som sem valor,
não dá alegria ao amor
inútil melodia.
Não és brisa
nem do dia a alegria,
o desamor a fez calar.
No silêncio é soluço,
das lágrimas mudas a rolar.
Não tem mais sentido
perderam a leveza, o tom.
Saberão as pedras entoar ?
Meu canto é triste lamento a beira do mar...
Solange Bretas

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Águas...


Águas...

O rio tem de correr para o mar,
ansiosamente  misturar-se
penetrando em suas vagas
Ambos provam-se em extase,
levatam-se em ondas de pleno prazer.
Rio e mar, um oceano de sedução
provoca na sereia,o feitiço, o canto,
atraindo a lua dos navegantes
para dentro se suas marés,
Delirando faminto,
engole as embraçãos
e as eternizam
no fundo de sua alma pirata.
Solange Bretas

terça-feira, 4 de maio de 2010

Fazer Valer


Quero da vida o sentido de ser
e por aqui estar fazer valer.
Na areia pisar levando dela o grão,
fazer dele a semente germinar o meu chão.
Quero do suor o tempero
a regar o gosto da lida
sob este céu de ilusão.
Não temo a minha sorte,
vou sem sul, caminho ao norte
na encruzilhada de vida ou morte,
não estarei na direção contrária.
Talvez por capricho desses olhos
que teimam em ainda ter esperanças,
eu pegue a linha do horizonte
e nela me embarace,
amarrando meu pensamento
antes que como nuvem ele passe.
Quanto ao corpo que me guarda
empresto a ele meus sentidos,
a desfrutar o sabor contido no viver.
Sabendo que o tempo e breve,
e que da chegada se faz partida
marcada no relógio das estações.
Não desejo a eternidade,
pois ela assusta,
mas desejo com ousadia,
da vida os seus mistérios,
o poder de desvendá-los.
Solange Bretas

Mortificação



Mortificação

Anseio por gritar meu silêncio
e emudecer esse amor absurdo
que finge não ver meus sinais.
Talvez retroceder no tempo
e cortar na raiz esse sentimento vital
ao que nocivo se tornou.
Faltam pegadas nesse caminhar,
e de rastejar já morri nesse lamento.
Quero ser folha livre no vento
esquecer de mim por um tempo,
até que ao pó, esse sentir possa voltar. 
Solange Bretas

Seu nome - Èlio Cândido de Oliveira


Seu nome

**-*-
Não pode ser um elo perdido.
E deve sempre ser bem redigido.
Traga em si a sua identidade.
Sem dúvidas, a sua realidade.

**-*-*

Seu nome Solange é a harmonia.
E para muitos a alegria.
Da companheira bem humorada
A beleza por todos admirada.

**-*-*

O sobrenome Brêtas, faz questão.
Que tenha sempre a certa redação.
A pronúncia sempre correta.

**-*-*

Gosta de ser chamada Sol.
Estrela maior da constelação
É em síntese da vida iluminação.

**-*-*
Solange Bretas

É seu presente do Elio Cândido de Oliveira
Aceita!
 
 

A Musa Do Poeta



A Musa Do Poeta

O que dizer dessa musa
Por todos, admirada.
Que encanta de forma profusa
Pelo poeta muita amada.
 
Uma deusa a inspirar
No coração do poeta
Trovas de puro amar
Tornou-se a musa dileta.


Inspirada na trova, "Minha Musa" do poeta
Mario Roberto Guimarães!
recantodasletras.uol.com.br/trovas/2232018

Por quê? Somos especiais - Com Élio Cândido de Oliveira( Poeta)


Por quê? Somos especiais
 
Temos algo de peculiar
Basta a nós, o olhar.
Um gesto para isso significar
 
Um pensar que enobrece
Nossa alma que carece
Ao irmão sempre auxiliar
 
Não somos seres vazios
Um oásis em pleno deserto
Há sempre alguém por perto
Dessa fonte amiga a aspirar
 
Presenças marcantes.
Pode que sejam sonhos
Mesmo de formas incoerentes
Mas especiais e presentes.


Toda amizade pura é assim, seus frutos são doces poesias!!(Solange Bretas)

Poesia em duo com o poeta Élio Cândido de Oliveira

Vencer O Medo

Vencer O Medo

Dizer o que sente,
contar os sonhos
ou olhar mais profundo.
Fazer viva a vida,
mudar os rumos do destino
e tomar as rédias das estações!
Caminhar na corda bamba da vida e se lançar...
Fazer do olhar, um mar pra navegar.
Do pensar, um momento real.
E desejando estar, voar além do horizonte...
Vencer fronteiras, descobrir mundos
Ser bravo, ser herói, mergulhar ir fundo.
Ousar é vencer o medo é "Ter Coragem".
Solange Bretas

sábado, 1 de maio de 2010

Apenas Amo




Apenas Amo

De todas as loucuras,
sentir esse amor
sem medidas e medos,
me leva além do que sou
ou posso ser...
Tê-lo já é esperança
que alimenta meu sonho.
E assim por desejá-lo tanto,
quase me perco, voo, vago...
Ouso tocá-lo de leve
com os dedos de meu pensar
e, sutilmente,
me ponho a beijá-lo
com os lábios de minha alma
apaixonada e atrevida.
Quando sem perceber
me pego assim a admirá-lo,
esqueço quem sou
e apenas  Amo... 
Solange Bretas

Fragmentos... (Poetrix)


Fragmentos...


... Qual pétalas da alma
por lágrimas derramado
o amor. 
Solange Bretas

Rejeição... (Poetrix)


Rejeição...

... No mar de sentimentos
o amor se negou.
Pérola sem valor.
Solange Bretas

Folhas Caem... ( Poetrix)


Folhas  Caem...


...Ah! Essas folhas que caem...
Prenúncio do outono de minh'alma
Saudade frutificando.
Solange Bretas