terça-feira, 29 de junho de 2010

Casulo



Casulo
Assim me refugio,
descanso minha alma
da saudade que me arrebata.
Fecho-me  nesse castelo de solidão
que intransponível, isola meu pensar.
Não há janelas ...
teu sol não alcançará meu olhar
tua brisa não soprará em meu rosto
e as lágrimas que eu poderia verter
adormecerão junto com as lembranças.
Viajo num coma profundo sem estações.
Será inatingível meu coração
e a saudade que vivo de você
baterá suas asas para sempre... 

Solange Bretas

sábado, 26 de junho de 2010

Percebi



Percebi

Dificil outra vez recomeçar
o amor passou como folha em ventania
fez-se outono entre nós.
Você se foi sem despedidas, sem voltar o olhar.
Enquanto dormia levastes meus sonhos...
Sem acreditar mergulhei num vazio profundo.
Atingiu minha alma com a crueldade dos espinhos,
sem se quer imaginar o quanto eu poderia sofrer.
Então, percebi que o meu amor nada valia,
não passou de um rascunho de sentimento
que como folha amassada foi posto de lado...

Solange Bretas

Apesar de...


Apesar de...

Apesar de minh'alma caminhar pelo deserto
que rego com minhas lágrimas sofridas,
de toda a escuridão qual madrugada infinita
a encobrir meu olhar não me deixando ver o sol,
trago em mim teu gosto de brisa
teu perfume de mel a atrair meu pensamento.
Mesmo com toda a distância que te levou de mim,
ao lembrar-te, vivo e sonho com a saudade de você.
 
Solange Bretas

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Algum Lugar do Passado


Algum Lugar do Passado


Em que lugar do passado ficamos nós esquecidos
e em que sótão sombrio guardamos nossa lembranças?
Nossas almas vestiram luto e partiram sem canção,
pegaram rumos diferentes na encruzilhada do destino.

Em que estrada nossos passos deixam pegadas
em que deserto  a solidão nos levou a viajar?
Nossos olhos não enxergam nessa tempestade árida
em respiramos mais a mesma essência de nós dois.

Em que mundo nossos sentidos  foram parar,
qual a dimensão dessa perda que nos faz vazios de nós?
Não há tato, perdemos as digitais, desconhecemos nossa existência,
porque  um dia sucumbiram nossos mais fervorósos sentimentos.

Em que tela poderíamos entrar para eternizarmo-nos,
já que vagamos a esmo nessa saudade de nós?
Que nasça da esperança o verso,  e o soneto, de nossa melodia
cantarolada por nossa alma ferida ao espelharmo-nos.

Já que  é certo o tempo jamais retorna,
não seremos mais como outrora, feliz primavera.
Em nossos lábios  os sussurros de amor emudeceram,
Mas no silêncio do coração, escuto o clamor por nós. 
Solange Bretas

Enamorada II


Enamorada II


Minh'alma de ti se enamora
aos olhos da madrugada nua a esperar-te
em brancos lençóis sonhar. Não demora!

Pintam meus olhos o horizonte, jade
de encantos carícias ao luar, cobrir-te
as estrelas do céu tocar, beijar-te.


Avidamente de o pensar, me perco em querer-te.

Enamorada dos teus encantos, em ti, fartar-me
Solange Bretas

Te Amo


Te Amo

A saudade, algoz de minh'alma,
vem flagelando meu coração,
por te sentir tão longe do que fomos.
Embriago-me das lembranças
sinto que em mim falta um pedaço que é você.
Fecho os olhos, minha alma te alcança,
mas meu corpo, que provou dos seus carinhos,
sente o frio do abandono.
Às vezes, tenho vontade de morrer
naquele horizonte quando a noite caiu sobre nós
quando olhávamos na mesma direção.
Foi a primavera quem me deu a você.
Hoje, sentindo essa saudade,
percebo o grande inverno
que se instalou em nosso amor.
O tempo passou rápido demais,
o outono foi breve, porém fértil.
Nosso amor frutificou,
mas não pode adoçar nossas vidas
porque o destino não agüentou
a nossa felicidade.
Queria lhe dizer tantas coisas...
Chego a pensar que por tanto te amar,
acabei por fazer o mal que não quis.
Agora, junto com essa saudade que se agiganta,
que me arrebata, não temo em 
confessar que Te Amo
mais que ontem, menos que amanhã.
Solange Bretas

Palavra de Amor

Tenho comigo o desejo,
o de me tornar palavra.
Aquela de forma falada
em frases de amor ao pé do ouvido,
que ecoa feito a brisa
nas folhagens, melodia.
Desejo ser palavra doce,
ser alento na solidão que te crucifica.
Palavra ungüento que sara feridas,
feitas pela dureza do árduo caminho da vida.
Palavra conforto, que acolhe teu pranto
pulsando viva, dando sabor a tua alegria.
Não desejo ser somente falada,
nem lançada ao vento, tão pouco ditas
às paredes que nada entendem.
Desejo ser palavra sentida no coração,
que desperta sentimentos e emoções
no mundo real e virtual.
Quero ser palavra amada,
saída da alma apaixonada
declarada pelos lábios do poeta.
Palavra escrita num livro de pétalas
com perfeita caligrafia.
Quisera estar nas entrelinhas
deitadas em chão de estrelas.
Quisera ser em mensagens decifradas
por você, Palavra de Amor.

Solange Bretas



quinta-feira, 10 de junho de 2010

Saudade Inspira


Em certos momentos,
quando descansamos
à "sombra da saudade" *
somos verdadeiros poetas...
A inspiração flui nas veias
explode no coração,
fazendo a alma viajar sem fronteiras.
Ganhamos céus colhemos estrelas
a iluminar lembranças.
Mergulhamos fundo
num mar de pensamentos
com um único e ardente desejo
de aliviar a saudade !
 
Solange Bretas

sábado, 5 de junho de 2010

Beije-Me


Beije-Me
A água que brota
da fonte de seus lábios,
vertendo beijos molhados
aguando meu desejo,
dissolve-me em prazer.
Mata  com avidez a
minha ansiedade de beber -te
até os sentidos.
Leva-me ao céu,
dá-me a provar das estrelas
num beijo feito de lua.
Toca minha alma nua
misture minha essência a tua
Vem! Ateie  fogo ao meu desejo,
beija-me como louco
com força dessa paixão.

Presente


Presente...

...Vivo o presente,
em teus braços renasço.
Alegria rege esse momento
por sentí-lo misturado a minha essência.
Faz-me desabrochar avidamente
e no olhar, uma nova esperança reluz.
Na boca um goste de felicidade,
na pele seu toque não é só lembrança.
Em meus ouvidos,
retinem cicio do nosso prazer.
Vivo nosso presente,
com desejo de amar-te eternamente.

Introspectivo Olhar


 Introspectivo Olhar
 
Abriu a porta da  alma,
na soleira reviveu
momentos impregnados
de emoções e prazer.
A saudade encheu o coração
trazendo um arrepio
como sopro de luar...
De seu ser adejaram
sonhos de asas azuis
e esperanças de folhas soltas
num suspiro ancioso.
Com um longínquo olhar,
do seu horizonte,
viu despontar o sol
enquanto ela cheia de amor
nun desejo incontido
de tudo reviver
se derretia num mar de saudade.

Lágrimas


Lágrimas

Transborda meu coração
não de amor nem de alegria sobra dor...
O encanto se quebra  tudo se perde
minh"alma adoece...
Dentro dele  só o vazio...
Um pulsar sem destino sem paz...
Me sou incapaz  de conter nele
o que nele não quer morar.
Só sinto o esmorecer o que dele sobrou...
Não quero pensar em acreditar
que sinto tamanha dor...
Não posso estar nesse breu...
Porque a luz partiu?
Não consigo ver, meu céu caiu
o escuro da noite me tragou...
a lua de mim fugiu e as estrelas
no mar se afogaram...
Meu sol se apagou
eu não tenho mais brilho...
Tudo de mim se foi
menos as lágrimas
que me fazem companhia
que me ajudam a lavar
as feridas que abertas
estão na alma...

terça-feira, 1 de junho de 2010

Posologia...



Posologia...


...Uma única dose
pela manhã.
Sem contra indicação...


BlogBlogs.Com.Br

Quem Dera Eu Ouvir O Teu Coração


Quem Dera Eu Ouvir O Teu Coração
Edson dos Santos e Solange Bretas

Quem dera sonhar teu sonho.
Em tua alma eu pudesse ouvir
os acordes melodiosos do amor
no pulsar do teu coração
te abraçar fortemente
e sentir do teu corpo calor
do teu beijo o fogo
de tua emoção provar.

Quem dera tão de leve
Num abraço eu pudesse sentir
o ofego do teu prazer
assim tirar sentido de tua razão
te amar sem pressa
esquecer o medo e despir
a alma cobrir-te de céu
Embriagar-me de tua afeição.

Distração...




Distração...

...Me olho com teus olhos
me vejo abstrata,
com traços desformes,
nada  mais que sombras
com pouco sentido ou sentido algum.
Toda cor que um dia  iluminou,
agora se retorce num horizonte pálido.
Me vi imagem sem sentimento
pendurada numa parede manchada.
A leitura que faço de mim ,
melhor fechar os olhos,
melhor nem poetar...
 
Solange Bretas

Gozo Pleno


Exorcizo meus versos,
rompendo a voz do silêncio
 no desequilíbrio dessas linhas
onde mal caminho e traço o horizonte.
Quem sabe a metáfora desse desabafo
grite ao vento palavras amenas.
Mas há guerras intensas
nas pautas do meu destino
que clamam por êxtase.
Permanece no grito rouco que retine
no âmago da alma sentida que deseja,
como vulcão a vomitar mágoas,
explodir num gozo pleno de libertação.
Solange Bretas