quarta-feira, 9 de dezembro de 2015


Minhas Coisas

São tantas as lembranças,
algumas tão preciosas
onde me refugio,
onde amenizo a tristeza
de me ver vencida pelo tempo.
Esse tempo que passa e leva tudo consigo,
deixando retalhos, alguns manchados de lágrimas
e outros, coloridos de sorrisos.
Às vezes, é preciso respirar fundo e seguir
porque o tempo não para.
É difícil de entender que tudo é passado,
que nada se repete, nem essa poesia.

Solange Bretas

http://www.recantodasletras.com.br/autores/FlordeLaranjeira

sábado, 12 de julho de 2014

Reticências

Reticências



O querer era meu.
Não pretendia o medo
nem o apagar das luzes.
O enredo era perfeito
a melodia embalava,
fluía num simples olhar.


O querer era meu.
Crescia como se nada
pudesse ser feito
como se não houvesse amanhã.
Não pretendia o erro
nem os fantasmas ao redor.
A poesia já estava escrita
faltando somente a voz.

O querer era meu.
as lembranças,os sentidos,
os sabores e as flores.
Nem pretendia a rejeição
a desculpa pelo não.
O sonho foi sonhado
e o ato, falho...

E o querer era meu, só meu.
Solange Bretas



SILÊNCIO

Essa minha vida
tão louca, tão sã
tão dura, tão vã
tão pura de manhãs

Viver é um ato de coragem,
me perdoem os fracos,
porque meu viver
não é mero detalhe.

Vivo como a fome de uma fera
com a força de um herói
com os sentidos de uma águia
como lua e as marés

Ainda que me precipite a abismos
e que a vontade do mergulho
me tente empurrar deixo me cair
porque viver é experimentar a vida.

Fecho os olhos
a vida me beija a pele
o pensamento me distrai.
Meu silêncio é misto de dor e amor.

Solange Bretas


EM NÓS


Seus olhos,
chegaram até o mais íntimo de mim
descobrindo meu coração ansioso de você.
Seus ouvidos,

ouviram o que o meu olhar dizia

e sussurravam aos meus o seu sim.

Seus lábios,

tocando os meus chegaram a minh'alma

e a fez bailar como pétalas ao vento.

O seu corpo. Ah, o seu corpo!

Acolheu-me como a uma semente

e nele germinou  desejos e floriu sentimentos.

E em nós

o destino escreveu sua história,

de encontro e despedida.


Solange Bretas

ALÉM DO QUE FOMOS

ALÉM DO QUE FOMOS

Fomos como as águas que passaram

que, por entre pedras, navegaram.
Fomos mais do que podíamos ir ou ser
Fomos nós mesmos na ânsia de viver.

Fomos mais quentes que o fogo
aquecemos nossas almas e vidas
ardemos num sentimento puro
que tudo devora e cega.

fomos mais que a felicidade permitia
fomos além de nossas janelas
criamos um horizonte que não existia
fomos as cores que pintavam nossos dias

Fomos do verbo a atitude
impensada, ingênua mais feliz
fomos até onde não podíamos ir
fomos até o fim.

Solange Bretas