quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Poesia Absorta


Poesia Absorta

Fica tudo aqui
!
Os dúbios cálices,
o doce sabor amargo das lágrimas
e as lembranças que por todo esse tempo guardei. 
Deixarei no escuro todas as imagens
que minha mente precisa esquecer.Fecharei todas as janelaspara que o passado não me siga. Não me preocupo em dizer nada,
só me restam as frias palavras,
estou preferindo o exato silêncio da solidão.
Busco um espelho que me fale a verdade
e uma paisagem que me permita olhar 
através de mim e das cores.
Pra terminar, guardarei os sonhos,
torço para que não virarem pesadelos
para que eu não tenha que desistir deles.
Deixo também a tua alegria,
não, ela não me pertence.
Vou só 
vivendo estações,
sem pensar no tempo liberta de sentimentos.

Solange Bretas

Nenhum comentário: