segunda-feira, 11 de maio de 2009

Ao Cair Do Véu











Como exerce em mim tanto vigor?
Nunca deixei que chegassem a me conter,
como pode ter sobre mim soberania,
se tornando o possuidor de meus ais?

Será magia, encantamento?
Me tentas tanto que me tira o torpor
Faz a noite se alongar numa espera louca
E os dias intermináveis de arquejantes desejos

Quando te suponho ao meu alcance,
Tudo que me compõe se transforma,
Grita pungente por sua existência
Parece insano desígnio influindo em mim.

Voce se tornou motivo de minha cupidez.
Embevecida por teus tantos encantos
Em delírios veementes sofro as consequências.
Vivo na expectativa do cair do véu!
Solange Bretas

Um comentário:

Anezinha disse...

Amei!
lindo! Parabéns por tão linda criação!
bjs
Rose