quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

CHAVE MESTRA




Acorrentada ao destino
De mãos atadas, deixo pegadas ...
Que talvez o vento apague.

Ouço  arrastarem-se as correntes
Com elas meus dias  e noites sem sobrestar.
Assim, mais uma vez, um dia de cada vez.

O desejo de ir além me faz romper barreiras.

Vou em busca da chave mestra.



Solange Bretas

Um comentário:

Irene Moreira disse...

Continuo a minha incansável busca pela Chave Mestra e "a esperança é a ultima que morre". Beijos