segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

NO ENCANTO DA MADRUGADA


 

A Lua radiante no breu
Estrelas brilham no chão
Nossos sonhos a iluminar

Meus dedos te querem tocar
Teus lábios ardentes de sol
Aos meus sedentos por beijar

Madrugada desperta em nós

Um fabuloso desejo ao sonhar.


solange Bretas

Pétalas Secas





A noite fez-se de outono
Vestiu sua obscuridade
Com as pétalas secas
de minha alma sofrida.
O fruto não vingou.
O seio não foi fecundo,
no cálice não se abrigou vida.
O que faltou?
No ar, paira o perfume
do abandono de primavera,
deixei de ser flor,
tornei-me espinhos aos seus pés.
O vento forte sopra na face
varrendo jardins do meu olhar
levando consigo o que pensava ser meu,
as folhas, pétalas e o que se sonhara
vir a ser um doce fruto...
Um galho retorcido,
pisado a beira do caminho
virará pó como minhas pétalas secas
pelo sol que despresou meu florir.


Solange Bretas

PALAVRA E AMOR



Há pouco,
descobri o valor das palavras.
Não importa de onde elas venham,
valem mais que o toque de almas.
Um afago, um beijo e mil abraços
são trocados por frases ilusórias...
Sem face, supondo sentimentos
escritas em entrelinhas frias.
Será esse o sentido da grafia,
criar falsos amores,
com imagens  de castelos
de areia que belos versos constroem?
Sinto o vento frio parecendo a morte
a tomar meu corpo e alma
em concluir que tudo que dei
foi menos que palavras.
O vento me levou,
e você , as palavras amou.


Solange Bretas

GOLES DE DESEJOS



Bebo o dia em goles de desejo profundo
como a cede no deserto causando miragens.
Transbordo as taças ao meio dia
erguendo um brinde ao porvir
que meus olhos anseiam.
Lanço a sorte em passos dúbios,
me arrisco na corda bamba da paixão
buscando o equilíbrio nos braços da tarde.
Neles me deito sossegada a esperar
que ao noitecer o amor venha
venha embriagar-me de vez.


Solange Bretas

TEU OLHAR E O MEU



Sem conter a emoção
ao longe te vi chegar,
meu olhar iluminou-se,
coração ficou a saltar.
No peito quase não coube
sentimento e razão
espelharam nosso olhar.
Era tanta a alegria,
cegou-me de paixão
a saudade que ardia,
foi embora do coração.
Era algo que pressentia,
sua energia estava no ar
quem ama não se engana
coração dispara pra avisar.
Ficamos quase frente a frente
e por pouco não nos falamos
era só meu, o momento,
te ver foi o alento
que minha alma pode provar.
Mas você fingiu não ver
e como fumaça sumiu no ar.


Solange Bretas

FONTE IMPERFEITA



Em pensamentos me derreto.
Fluindo por entre vales
a encontrar verdes pastos
sem responstas, me desaguo.
Banho praias de enigmas
tentando decifrar
o que separa o rio do mar
e o que por fim os fazem misturar.
Penso no amor e na dor!
Quem é rio, quem é mar?
Se o amor por vezes é sal
qual mar a sofrer ressacas
se lança furioso nos rochedos
provando da dor da saudade.
Talvez dor e amor, rio e mar
sejam sentimentos salobres
que brotam em fonte
imperfeita no fundo do coração.



Solange Bretas

O DESTINO DESFAZ



A vida se fazendo presente,
traz surpresas insonháveis...
Tortas  linhas de suas mãos perfumadas,
pingentes no peito um coração,
imagens por amor ofertadas,
sonhos em preto e branco
que um dia realizou,
beijos roubados no portão.
Um olhar apaixonado
que a noite iluminou,
desejando cometer loucuras,
nessa insana paixão.
Um ombro, pedindo carona
a viajar nessa ilusão,
qual surpresa que a vida traz,
que o destino vem e desfaz.



Solange Bretas

OLHOS DE LUAR



Em meu corpo nú,
sinto tua magia
a envolver-me tua.
Exerce teu feitiço
adormece-me
diante de teus olhos.
Senhora de fases
a emanar em mim
tua energia vigorosa,
deixando-me sedutora
atraindo o mar
a lamber meus pés
desejando-me mais e mais.
Penetra em minh'alma
toma-me feito céu
faz-me loba tua
resplandece em mim
teu encanto...
Oh, doce lua!

Solange Bretas

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

DANÇA COMIGO / BAILAR CONTIGO / A DANÇA



 
Tomas-me, nessa contra dança.
Aperta-me ao peito e me lança
Seu olhar a devora-me corpo e alma.

Não resisto, deixo-me conduzir.
Sinto a leveza de suas mão a me guiar
O peito acelera não desejo parar.

Seduz-me faz-me em delírio flutuar

Dança comigo, até a noite acabar.


Solange Bretas 


********************
BAILAR CONTIGO

(Interação do poeta Edson dos Santos)

Tomo teu corpo em minhas mãos
E no balanço de tua sedução
Eu Penetro no calor de tua alma
 
Aqueço teu corpo com mil desejos
Minha boca da tua quer um beijo
Mas nossos corpos querem é bailar
 
E nesse balanço tu flutuas sabendo
 
Que depois dessa dança iremos amar
 
(Edson dos Santos)


 ********************

A DANÇA
 (Interação da poetisa Sol Pereira)

Dou-te a honra dessa dança
Chego mais perto de você
E roço com o meu corpo nas tuas lembranças

Quando ainda éramos crianças
Tínhamos brilhos nos olhares
E ainda não tínhamos trocado as alianças

Rodopiamos, meus braços envoltos em teu pescoço
Desligo-me de tudo e esqueço da amargura
E você me abraçava pela cintura com ternura

E Juntinhos dançamos um blues lento
A música sincronizando nossos passos
Você sentido o tum, tum do meu peito

Nossos corpos quentes em busca dos abraços
Que nós guiaríamos juntos para o nosso leito.

(Sol pereira)

Obrigada, queridos amigos e grandes poetas, pela bela interação! Meu carinho!! Bjus 



 

HAVERÁ UMA LUZ



Ao fim do crepúscular
A noite foi só uma criança
brincando de sonhar

Desejos brotam dos sonhos
Que a alma anseia realizar
Sentir na pele o prazer do tocar

Na boca um gosto de esperança

 Que sempre há de provar.



Solange Bretas

MINHAS PÉROLAS




Não farei como Pandora.
As pérolas que guardarei
não serão feitas de máteria
cujo o tempo destrói.
Meus tesouros são palpáveis
no interior de minh'alma e,
é lá, que eles se encontram
bem guardados.
Não hei de perder meus dias
chorandos mágoas do passado.
Vivo contemplando a felicidade.
Tesouros vivos, pulsando liberdade
é só o que retenho na lembrança.
Nessa caixa onde guardo sentimentos
livre de mágoas e de lamentos,
tem um segredo que dia a dia alimento
Nem de vida nem de morte,
mas de amor eterno, eis aí minha sorte.


Solange Bretas

TODO SEU




Quero dar-te algo
já que não mais me pertence.
Pulsa errante dentro de mim
e não faz outra coisa
a não ser chamar teu nome.
Quando distante,
verte lágrimas de sangue
por sentir tamanha saudade.
Leva-o consigo!
Aqui, sozinho, ele fenece
por tanto amar o seu.


Solange Bretas

CHAVE MESTRA




Acorrentada ao destino
De mãos atadas, deixo pegadas ...
Que talvez o vento apague.

Ouço  arrastarem-se as correntes
Com elas meus dias  e noites sem sobrestar.
Assim, mais uma vez, um dia de cada vez.

O desejo de ir além me faz romper barreiras.

Vou em busca da chave mestra.



Solange Bretas

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Você Me Conquistou



Você chegou,
assim como quem nada quer .
Veio deixando pegadas
com jeito sossegado
meio de madrugada.
Foi preparando seu cantinho
aconchegando-se com carinho
feito um anjo de mansinho
conquistando minha afeição.
Encontrou-me meio chorona
enxugou a meu pranto,
amenisando minha dor.
És um anjo encantador
faz meu coração sorrir
minha alma livre sentir
das tristezas que passou.
Acredito ser obra do Divino
conhecer-te assim tão menino
levado porém afetuoso
no coração serás guardado.
Por toda vida por mim amado. 


Solange Bretas

Gravado No Coração



Olhei-te nos olhos,
senti seu brilho refletir nos meus.
Momento de pura magia.

Contemplei teu sorriso
selando lábios meus
Não se conteve em mim a emoção.

De amor transbordou minha alma.

O que recebi de tuas mãos está gravado no coração.


Solange Bretas

No Balanço Desse Amor




No balanço desse amor
Lanço-me  de asas abertas
Embalando-me nesse vai e vem de sonhos.

Quisera fosse eterno esse encanto
E nos jardins das delícias ter a brisa como manto
Sentir do seu amor  o impulso nesse balanço.

O seu balanço toma meu corpo.

E conduz minh'alma  com liberdade.



Solange Bretas

Lençóis de Poesia



Logo que deslizei pelos sinuosos caminhos da poesia
E o lirismo despetalou minha alma em versos simples,
Não consigo conter as sementes que desde então são vertidas
De minhas pobres e ousadas rimas semeadas nas entrelinhas.

O deus da poesia terá enlouquecido ao permitir-me tal ousadia
E põe em meio a um grande desafio, as letras dessa minha alma

De certo que mesmo que tentasse e abusasse de todos os vocábulos
Descrever-te seria impossível, falta
r-me-iam linhas a deitar grafias.

Seu refúgio são lençóis de marés que do céu deságuam o azul
Em aquarelas cintilantes, arco-íris colorem a paisagem ao seu caminhar
Seu versejar faz as flores exalarem num suspiro, o mais doce perfume
E as estrelas se derreterem no céu, por suas poesias de amor,.
 

Por ribeirinhos poéticos seus encantos fluem regando jardins
Seu olhar é farol a guiar minha embarcação perdida em alto mar
Seus braços são portos seguros do meu pobre versejar
Nem as  fortes tempestades conseguem pra longe de ti me levar.

Tomo posse dessa loucura que veio  em meu ser habitar

Mesmo que me sinta por muitas vezes nesse mar  naufragar
Ergo minhas velas, recolho as âncoras e me ponho a navegar
Na liberdade dessas ondas que me  fazem por amor poetar.

Solange Bretas