terça-feira, 6 de abril de 2010

Apenas Mulher



No horizonte a imagem se faz,
mas o olhar perdido se vai
ao encontro do arrebol.
Sou asas que pensam voar
além dos mundos, arco íris e sol.
Viajo com as velas levando embarcações,
naufrago nas marés que devoram meu pensar.
Não me vejo às margens do rio,
mas sinto suas águas a lapidar meu caminho
que, em cascatas, murmuram meu destino.
Às vezes não sei quem sou
e temo pelo porvir em segredo,
mas quando me sinto lua
nessa plenitude me vejo apenas mulher.
Solange Bretas

Um comentário:

ney disse...

Muito lindo. Abraço/ney.