quinta-feira, 22 de abril de 2010

Minha Loucura


Ainda que seja loucura
amar sem ser amada,
tento conter por dentro
o sentimento que se derrama
por não caber mais no peito.
Sofre minh'alma nua
e padece meu corpo
aos açoites do desejo de ser tua.
É uma chaga que não tem cura
essa tal saudade tua
que um dia se chamou felicidade.
Solange Bretas

terça-feira, 20 de abril de 2010

You Compose My Simphony



Ah! Essa loucura de escalar-te melodia
de provar-te o sabor doce sintonia,
que penetras em meu corpo, música
que  em acordes estremece minh'alma.
Em teus marfins dedilhar  notal em bemol,
causando-te suspiram harpejantes.
Quisera insanamente afinar-te
e no tom produzir-te gemidos,
ao sentir-te qual ébano em sustenido.
Nesse êxtase melodioso compor-te partitura
nela impor o ritmo em harmonia vida, tocar-te.
No repouso cônsono de alma pura, dançar-te. 
Solange Bretsas

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Paz Universal


Nesse mundo tão desigual
Onde a guerra nos empobrece
Pedimos a Paz Universal
Que DEUS escute nossa prece.

É triste saber que na verdade
Não se precisa de muito fazer
Que os povos se unam em fraternidade
Para que a Paz possa vencer!

Não é mera utopia
Acreditar que assim se faz
Logo o amor reinaria
No universo nasceria a Paz!
 
Enviado para a ciranda da Paz Universal

Poetrix...


Te Esperei...


... Vestida de primavera
As flores eram testemunhas.
Mas se foram as estações.
 

terça-feira, 13 de abril de 2010

Eu E A Solidão


Queria mudar o rumo,
tomar o prumo,
parar o relógio
voltar no tempo.
Queria correr contar o vento,
atravessar os mundos,
romper barreiras.
Queria ser companheira,
amar de qualquer maneira,
ter seus braços como trincheira.
Mas tudo se perdeu, então.
Se antes eu estava só, hoje,
estamos só eu e a solidão.

Poetrix...



Eu Juro...

...Tentei semear no vento
a essência do nosso amor.
Então, vieram os pássaros.

Poetrix...

 

Barreiras...  

... Não se culpe! 
Afinal elas existem. 
Ultrapasse-as!

Amiga Oculta


Ao contrário do amor,
ela veio  convencer
que é a perfeita companhia.
Penso que talvez ela tenha razão,
porque mesmo não acompanhada
sinto que ela jamais me abandona.
Acabamos por coversarmos durante um longo dia,
rimos bastante e, quando desabafo e choro,
ela me empresta seu ombro em silêncio.
Tenho medo de me acostumar e gostar dela.
Sempre me deixa a vontade, me observa e espera.
No momento certo ela se achega,
e por mais que eu tente dela  me desviar
ignorando a sua existência,
é nos braços dela que acabam por me jogar.
Minha Amiga solidão.
 

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Um Outro Dia



Quando em ti pensei
E ti sentir tão fortemente
Dizia a verdade.
Meu coração não mentia!
 
Disse de minhas alegrias
E da vontade de estar contigo
Um pouco mais que eternamente.
Dizia a verdade.
Meus olhos não mentiam!
 
Acreditando no amor
E  assim podia amar-te
Tornar-te simplesmente meu herói.
Dizia a verdade.
Minha alma não mentia!

Quando ganhei vida em seus braços
e neles descansei protegida
Gritei aos quatro cantos, Te amo!
Quem sabe perdiada.
Dizia a verdade
Meu corpo não mentiria!

Perder-te foi perigo eminente
Sem amor minha alma rasteja
E no olhar um adeus agora viceja
Dizia verdade.
Quem ama não mente!

domingo, 11 de abril de 2010

Epílogo De Alma Sofrida



De novo degusto o amargo da solidão
ressecando meus lábios
trazendo de volta as lágrimas
que meus olhos quase esquecera,
mas que o meu coração veio derramar.
Pensei ter exaurido de minha alma
os últimos ais, e agora me vejo
encolhida sozinha, sem mais.
Assim em desencontro,
abandonada num canto do silêncio,
querendo poder erguer apenas meu olhar,
mas não quero mais mendigar afeição
Já havia esquecido da penumbra
que encobria meu sonhar.
Então, sorvo o amargor brindando a vida
com a saudade que  restou.
Solange Bretas

Vozes


Vozes

Dádivas dos Deuses.
Por imaginação.
Que damos a elas varias destinação.
Amigos, colegas e os do além.

 Que ecoam no silêncio
 na alma do lado de dentro
 do lado de fora de alguém
 

As que não podemos detectar
de onde estão a partir.
Que não a vemos balbuciar.
Mas a mente, alma as definir.


São energias a invadir
Espaços de o nosso existir
Mensagens querendo deixar



Vozes que a nós chegam
Tornando-nos receptores
Exigem que sejamos portadores.


Bastando-nos apenas ser dóceis
A entender o que nos dizem
E delas sermos pontes.


Duo com o poeta elio candido de oliveira.
recantodasletras.uol.com.br/autor.php

Delírios


Te Sinto!
Como um vento...
Um sopro, alento!
Vem longe...
No horizonte de um olhar
cabe na janela do acreditar,
que um sopro do vento é alento
de seus lábios o amor a sussurar.
Descortinando meu sonhar,
minh'alma estremece
de tua brisa querendo provar.
Solange Bretas

terça-feira, 6 de abril de 2010

Apenas Mulher



No horizonte a imagem se faz,
mas o olhar perdido se vai
ao encontro do arrebol.
Sou asas que pensam voar
além dos mundos, arco íris e sol.
Viajo com as velas levando embarcações,
naufrago nas marés que devoram meu pensar.
Não me vejo às margens do rio,
mas sinto suas águas a lapidar meu caminho
que, em cascatas, murmuram meu destino.
Às vezes não sei quem sou
e temo pelo porvir em segredo,
mas quando me sinto lua
nessa plenitude me vejo apenas mulher.
Solange Bretas

Pedras no caminho...


Tropeços!
Pedras a minha frente encontrar
A elas tenho a necessidade retirar.
Elas o ensinamento laços.
Degraus, murralhas. 
Verdades ou mentiras...
Delas, retiradas as trabalharei.
Quantas coisas edificarei.
Degraus e muralhas
até mesmo castelos e fortalezas.
Fragmentos deixados e encontrado pelo destino
 quero com eles erguer a torre, nela haverá um farol...
Quem sabe a iluminar o horizonte
onde sopre a brisa varrendo pensamentos?
Assim eu possa desvendar fronteiras azuis
que meus pés precisam pisar,
subir 
para alcançar a luz.
Solange Bretas

segunda-feira, 5 de abril de 2010




Mulher...
Algo além de ser, estar ou agir.
Transcende sentimentos, fatos e poesias.
Um misto de flor, mar e magia,
um "Q" de sol, lua, mais que estrela.
É ascendente, nunca cadente
embora incandescente,
basta a brisa e ela se acende.
Ela é mais que um querer,
é semente de paixão ardente,
de viver e amar.
Não sabe simplesmente sonhar,
não se contenta em somente esperar
e como o rio ao encontro do mar.
Mais que substantivo, suplanta adjetivos
é pura e divina criação. 
Solange Bretas

Sonho Apenas



Quisera sonhar poesia,
me vestir de sua doce melodia,
beber de seu vício  embriagador.
Pudera ser verso ao avesso
da melâncolia desigual a dor.
Meus sonhos são águas
que rolam margeando solidão,
sem encontro, sem mar...
Sonho contos sem fim,
sem céu, sem luar...
Sonho sem estrelas a contar
tendo apenas linhas gravadas  
 na palma de um adeus 
sem horizonte, sem sol , sem saber amar.
Sonho apenas a sonhar.
Solange Bretas