terça-feira, 4 de agosto de 2009

No Limiar Da Poesia



Debaixo daqueles versos
Refugiavam-se sementes de poesia.
Nada germinara desde a primavera,
quando despetalou a alma
e o horizonte não mais sorriu.
O vento poético trouxe o lirismo,
que em gotas, caia do céu
como estrelas cadentes
a mergulhar no mar de entrelinhas
bordando frases soltas.
Ondas de inspiração
em profuso frenesi,
entoaram cantos roucos
para despertar em cores
meu arco íris de poesia.
Solange Bretas

2 comentários:

Anezinha disse...

Lindo Sol! que venham tantas belas inspirações como esta!
bjus
saudades
Rose

jeronimo disse...

Lindíssimo arco-íris, querida poetisa!
Parabéns!
Bj!