sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Poema Insensato


Cravou na pele
suas unhas de paixão,
com único olhar
penetrou na alma
fez sentir minha nudez.
Abriu meu peito,
com loucura e tesão
rasgou-me as páginas
tirou-me a razão.
Tomou-me os lábios
com ardente beijo
inflamando de desejo
meus entorpecidos versos.

4 comentários:

ney disse...

Às vezes, é tão insensata a sensatez... Viva o poema insensato! Lindo!
ney/

Rose Tunala disse...

Quase perdi o folego nessa insensatez! Muito bom seu poema!
Beijos, Bom fim de semana!

jeronimo disse...

Desejo e prazer!
Parabéns, querida poetisa!
Bj!

Anezinha disse...

Lindo Sol!
Forte e ardente! grande e arrebatador!
bjus
Rose