terça-feira, 16 de junho de 2009

Dama da Noite



Debruçada sobre espinhos,
Deixando cair de suas pétalas
O afago das gotas de orvalho
De seu amor enluarado.
A noite chora prateando seu sofrer
E estrelas descem do negro véu
A emprestar-lhe brilho,
Mas os espinhos crescem...
Tudo se faz... Breu.

2 comentários:

jeronimo disse...

Essa flor é linda!
E sua poesia tb está linda!
Parabéns, querida poetisa!
Bj!

ney disse...

Tem luz nas suas poesias. E deixando essa luz brilhar nos encanta a vida.

Disse Nelson Mandela depois de tantos anos nos cárceres da injustiça social:
"Nosso grande medo não é o de que sejamos incapazes. Nosso maior medo é que sejamos poderosos além da medida. É nossa luz, não nossa escuridão, que mais nos amedronta.
Nos perguntamos: "Quem sou eu para ser brilhante, atraente, talentoso e incrível?" Na verdade, quem é você para não ser tudo isso?...Bancar o pequeno não ajuda o mundo. Não há nada de brilhante em encolher-se para que as outras pessoas não se sintam inseguras em torno de você.
E à medida que deixamos nossa própria luz brilhar, inconscientemente damos às outras pessoas permissão para fazer o mesmo".
(Discurso de posse, em 1994)