quarta-feira, 10 de junho de 2009

Meu Amor


Nunca é tarde quando o coração pulsa
e a alma sente ardente...
Ao que no peito não cabe mais,
transcende se eleva e se entrega.
O tempo não é o seu senhor
nem os dias determinam seu durar.
Não é o sol que o aquece,
ou o faz desabrochar.
Nem no outono que o faz frutificar.
A primavera o tenta enfeitar,
invejam as pétalas o seu perfumar
O vento mesmo que tente
não o fará despetalar.
As ondas do mar não o afogará,
se lançarão beijando seus pés
marcados na areia ao seu caminhar.
Congelar no tempo quem sabe o quis, o inverno,
mas o que se sabe, ele é eterno fogo a arder
nas entranhas do meu ser.
Guardado na mente, lembrado pra sempre,
pulsando no peito, correndo nas veias.
Cravado na carne na alma segrega.
O que há de mais puro coberto de poesia seu véu,
jurado na terra, ligado no céu.
Meu amor!
Solange Bretas

Um comentário:

Anezinha disse...

Lindo Amiga!
Belo seu texto, bela e sensível sua descrição do seu amar!
bjs , carinho,
Rose