domingo, 31 de janeiro de 2010

Redenção



Deixo transbordar o sentimento
abro as comportas que represavam solidão
minha alma não conseguiu conter-se e desfez-se

Num misto de dor e amor que feria e soprava
entregue ao esquecimento sem tempo pra mim
num incontido soluçar fui de encontro ao mar.

Sucumbi diante das insensíveis ondas vazias

Fiz da saudade meu porto de redenção.


Solange Bretas 

Nenhum comentário: