domingo, 31 de janeiro de 2010

Volta Ao Pó


Fragmentos de versos
correm por entre os dedos
sem palavras, sem prosa.

Perdem-se no tempo.
Apagados na história
pertencem ao vento.

Levam da alma a essência.

Fez-se pó, poeta e poesia!


Solange Bretas

Nenhum comentário: