domingo, 27 de setembro de 2009

Antídoto


...ao que fui veneno
por amor perdi a vida.
São tantos ditos,
mas o que falou
mais alto foi silêncio.
Foi em vão, agora persona não grata.
Como antídoto, retiro-me da vida...
Não sei se sigo, persigo ou me esqueço
e do avesso me viro dou asas à vida
e encontro a solidão de minhas dores,
veneno próprio de quem ama sozinha.

Nenhum comentário: